0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Com o lema “Cidade livre, cidade do livro”, a 9ª edição da Feira do Livro de São Luís ocorreu entre os dias 2 e 11 de outubro. Desde sua primeira edição, a feira já percorreu vários lugares do Centro, num processo itinerante e, ao mesmo tempo, experimental. Assim, abrigou-se na Praça Maria Aragão, no bairro da Madre Deus, no Convento das Mercês e no Desterro, e agora nas ruas do Reviver.

Foto: Cláudio Rodrigues.
Foto: Cláudio Rodrigues.

Durante uma semana, as ruas, os becos e as praças do Centro Histórico foram visitados por inúmeras pessoas, sobretudo por caravanas de estudantes das escolas públicas dos municípios da ilha. O casario colonial divide espaço com outro objeto importante, o livro, e abrem-se as portas para a realização de conferências, palestras, shows, contação de histórias, lançamento de livros, entre outras atividades.

Foto: Cláudio Rodrigues.
Foto: Cláudio Rodrigues.

Essa diversidade marca a feira de São Luís e imprime nela uma característica que é também da cidade: o colorido, as diversas dicções, a cultura popular e a cultura do livro juntas. Se numa praça há sempre espaço para um cordelista e seus folhetos, em outro lugar, o reggae, o tambor de crioula e a música de raiz se revezam, enquanto habitantes e visitantes bebem animadamente. Na “Rua dos bonecos”, a criançada se encanta com as apresentações dos mamulengos (também conhecidos como Casemiro Coco), e o Beco da Catarina transforma-se no Beco da Poesia, onde todas as noites um poeta faz performances poéticas.

Foto: Cláudio Rodrigues.
Foto: Cláudio Rodrigues.

A homenageada desta edição foi a historiadora maranhense Lourdinha Lacroix, que tem, entre outras publicações, o polêmico: A fundação de São Luís e seus mitos (2001). A programação de debates contou com inúmeros escritores de outros estados, entre os quais, Antonio Cícero (RJ), Karina Buhr (PE), Daniel Munduruku (PA), João Gilberto Noll (RS), Michel Laub (RS) e Clara Averbuck (SP).

Foto: Cláudio Rodrigues.
Foto: Cláudio Rodrigues.

Nesse ano, um dos concursos literários mais antigos do país, o Concurso Literário Cidade de São Luís, que tem entre os ganhadores autores como Ferreira Gullar, teve a divulgação dos vencedores de sua 36 edição durante a feira. Autores maranhenses da capital e do interior foram premiados em diversas categorias com prêmios entre sete e três salários mínimos e garantia da publicação de suas obras.

Se São Luís é conhecida por seus patrimônios cultural e imaterial (o casario colonial de fachadas de azulejos europeus, o cuxá, o bumba meu boi, o tambor de mina etc), ao ganhar os espaços da rua, a Feira do Livro projeta-se com um diferencial: ser popular, plural e polifônica.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Casa de Rui Barbosa seleciona bolsistas

Próximo post

Estado Islâmico

Sem comentários

Deixe uma resposta