0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A comunicação científica deu um salto expressivo no processo de universalização do acesso ao conhecimento com o surgimento dos periódicos eletrônicos que possibilitou acesso em diferentes tempos e espaços, assim como o movimento do acesso livre/aberto ao conhecimento científico. No entanto, é pertinente considerar que ainda há restrição de acesso na comunicação científica, em especial, pela matriz lucrativa dos grandes editoriais científicos interacionais que favorece o acesso aos estudos publicados mediante pagamento tratando a pesquisa científica como produto ou mercadoria e o leitor/pesquisador como cliente configurando o caráter eminentemente industrial da ciência contemporânea.

Por um lado, há a constituição de parcerias entre empresas, indústrias e bancos (em alguns casos com a participação de pesquisadores de universidades públicas e/ou privadas) para o financiamento de pesquisas que elaborem produtos, visando resolver ou simplesmente amenizar/acomodar possíveis problemas sociais no contexto da saúde, infraestrutura, desenvolvimento tecnológico digital, entre outros, valorizando a chamada pesquisa técnica que possui o chamado caráter pragmático. Por outro lado, há a constituição de parcerias entre universidades e entidades de fomento para o desenvolvimento de pesquisas que primem pela inovação e avanço científico em áreas diversas do conhecimento.

Leia o texto completo na edição 37 da Revista Biblioo. Adquira em nossa loja virtual.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Biblioteca nas comunidades

Próximo post

Conservação e preservação de acervos

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *