0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

O marketing nas bibliotecas vem como uma alternativa valiosa para assegurar a sobrevivência em unidades de informação, mas cabe aos bibliotecários mudarem sua postura diante desse desafio.

O bibliotecário como agente social deve ter em mente que a informação é um instrumento valioso e fator essencial para o desenvolvimento sócio-econômico de uma nação. Por conta disso, é exigido dos profissionais uma nova atuação mais efetiva e inovadora para satisfazer essas novas necessidades de informação por conta da chamada ”sociedade da informação”.

Essa realidade exige do bibliotecário algumas características importantes como conhecer e compreender as relações humanas (habilidades interpessoais), ampliar seu campo de visão buscando conhecer as novas tendências de informação para manter sua unidade de informação sempre atualizada e, o mais importante, ser competente em informação.

Biblioteca Pública de Botafogo Machado de Assis | Foto: harmozen.com.br

Agir de forma inovadora nos serviços das unidades de informação é uma alternativa que os bibliotecários podem e devem usufruir, através da promoção de atividades culturais e educativas para despertar o interesses dos novos usuários, orientação quanto os recursos informacionais, cursos de idiomas para a comunidade e rodas de leitura.Serviços como estes já são oferecidos com sucesso por bibliotecas públicas no Rio de Janeiro,como a Biblioteca Pública de Botafogo Machado de Assis.

O marketing nas unidades de informação requer um estudo sobre a organização e o ambiente em que atuam, exige um levantamento de informações que proporcionam um conhecimento sobre as demandas,interfere diretamente nas decisões da unidade de informação e em tempos de mudanças constantes isso se torna uma tarefa difícil.

Sem dúvida é um instrumento de grande apoio que o bibliotecário deve utilizar para levar ao seu usuário informações com qualidade,garantindo a sua satisfação e a sobrevivência da sua unidade.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Vinte anos do PROLER

Próximo post

A “noite carioca” dos livros

Sem comentários

Deixe uma resposta