0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Publicado originalmente no Blog do Chico de Paula

O vídeo mostrando o prefeito do Rio, Eduardo Paes, atirando lixo na rua (que se popularizou na internet nos últimos dias) é a síntese do governo municipal: um misto de hipocrisia e falta de bom senso, aliado ao descaso e a ausência de vergonha na cara. A responsabilidade pelos problemas é o tempo inteiro atribuída à população, a qual se sujeita de forma passiva aos mandos e desmandos de um sujeito e seus lacaios que nem de longe têm compromisso com as pessoas.

Prefeito Eduardo Paes joga lixo na rua

Vídeo mostra Prefeito Eduardo Paes jogando lixo na rua

De outro lado, a mídia reacionária (como não poderia deixar de ser), engrossa o coro contra os manifestantes, como se a responsabilidade pelos últimos acontecimentos fosse inteiramente destes, quando na verdade é um acumulo de desrespeito ao trabalhador. Temos visto nos últimos dias uma abordagem reiterada dos grandes veículos de comunicação em que se observa aquilo que Perseu Abramo chamou de Inversão da relevância dos aspectos (da notícia), segundo o qual “o secundário é apresentado como principal”.

Para estes veículos (operando a Inversão da relevância dos aspectos da notícia), o que está em jogo neste episódio não é a desvalorização da mão de obra destes trabalhadores e de todas as tragédias resultantes disso, mas o fato de uma cidade turística como o Rio de Janeiro se vê relegada à sujeira (literalmente) às vésperas da Copa do Mundo que, diga-se de passagem, concentra uma série de interesses escusos, inclusive destes veículos de comunicação que ora criminalizam o movimento grevista.

A título de exemplo cito o Jornal GloboNews, edição das 18h, de ontem (06/03), no qual a apresentadora Leilane Neubarth anunciava: “Garis do Rio trabalham com proteção de escolta armada: vocês acreditam nisto?”. O tom era de indignação, não pelo fato destes trabalhadores estarem se rebelando contra um salário (que é de R$ 849,79, já com o reajuste de 9% concedido pela prefeitura) que não cobre nem as necessidades mais básicas suas de suas famílias, mas pelo fato de aqueles que não aderiram ao movimento grevista trabalharem sob proteção da polícia. A intenção era clara: atribuir aos grevistas um caráter de violência.

No mesmo programa se apresentou a versão da prefeitura e do sindicato da categoria, ambos contrários ao movimento grevista, se configurando com isso a apresentação de um único ponto de vista, por sinal diferente dos maiores interessados: os trabalhadores.

Vale destacar que não apenas a GloboNews, mas o conjunto da grande mídia se portou de forma semelhante, sempre tentando fazer parecer que os grandes responsáveis pelo problema são os próprios trabalhadores.

A despeito disto, o que se observa no cotidiano é uma simpatia a este movimento, a exemplo do que já ocorrera em 2012 com os Bombeiros militares, que na época também deflagraram greve. A sociedade está alerta e não se deixará ludibriar por estes discursos carregados de interesse alheios aos seus.

Hoje, os garis realizam mais um ato de protesto no Centro do Rio de Janeiro e a Revista Biblioo este lá para registrar o momento. Veja abaixo as fotos e vídeo da manifestação.

Fotos e imagens: Hanna Gledyz

[youtube]http://youtu.be/nxVumO0yTnY[/youtube]

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Oficinas de criação literária

Próximo post

Carlos Latuff: “o movimento dos garis é um dos mais legítimos que eu já vi”

2 Comentários

  1. Arnaldo Ricardo
    11 de março de 2014 a 18:26 — Responder

    Chico De Paula, que orgulho sua revista. Jornalismo verdadeiro, bem feito e coerente. E vc é Bibliotecário? Mas, orgulho ainda, poxa! Gostei muito dessa matéria e de outras tantas.

  2. Arnaldo Ricardo
    11 de março de 2014 a 21:26 — Responder

    Chico De Paula, que orgulho sua revista. Jornalismo verdadeiro, bem feito e coerente. E vc é Bibliotecário? Mas, orgulho ainda, poxa! Gostei muito dessa matéria e de outras tantas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *