0
Shares
Pinterest Google+

Por Clarissa Stycer de O Globo

Uma confusão envolvendo manifestantes que tentam ocupar o Museu do Índio, em Botafogo, desde quarta-feira e seguranças da instituição acabou em pancadaria na noite de domingo. Integrantes do movimento “Aldeia Rexiste”, nome que faz referência à antiga Aldeia Maracanã, acusam funcionários do museu de tê-los espancado com pedaços de pau. Ontem, a Justiça atendeu a um pedido de reintegração de posse do imóvel feito pela Funai na madrugada de quinta-feira. Com a medida, o grupo, que já foi intimado, tem 24 horas para deixar o local.

O tumulto aconteceu por volta das 21h30m de anteontem. Os manifestantes, que estavam acampados do lado de fora do museu numa barraca, pularam o muro da instituição. Na última quarta-feira, eles participaram de uma série de eventos do seminário “Dimensões das Culturas Indígenas” e tentaram ocupar o espaço. Mas acabaram impedidos de permanecer no museu depois de terem feito uma fogueira. Uma das lideranças do movimento, o índio Ash Ashaninka diz que, na ocasião, os seguranças já agiram com truculência.

— A gente fez uma fogueirinha. Um segurança veio e chutou, não entendendo a nossa cultura — disse Ashaninka, afirmando que eles saíram do museu, mas teriam sido ameaçados depois. — Na sexta-feira, um indígena funi-ô que trabalha como terceirizado no museu nos ameaçou, falando que iria nos retirar com violência.

FERIDOS NO CONFLITO

Entre outras reivindicações, eles exigem a devolução da Aldeia Maracanã, prédio do antigo Museu do Índio que fica em frente ao estádio, de onde foram expulsos em 2013. O lugar hoje está vazio e sob vigilância policial.

De acordo com José Carlos Levinho, diretor do Museu do Índio, a fogueira era uma ameça ao prédio. Ele afirmou ainda que funcionários da instituição também foram agredidos, sendo que um chegou a ser hospitalizado porque foi atingido por uma pedra no peito.

— Isso nunca aconteceu antes no museu. O prédio é tombado e guarda o maior acervo etnográfico de índios do Brasil, documentos considerados Patrimônio da Humanidade pela Unesco e que só existem ali. Um dos funcionários apagou a fogueira e foi hostilizado — disse Levinho, acrescentando que índios funi-ô que trabalham na instituição também tiveram cocares quebrados pelo ocupantes.

No sábado à noite, o clima já era tenso. Ash Ashaninka contou que sua mulher, que carregava um bebê, teve o celular arremessado no chão, e outros dois aparelhos do grupo teriam sido retidos por funcionários. O caso foi registrado na 10ª DP (Botafogo).

Na noite do dia seguinte, durante a tentativa de reocupação, parte dos manifestantes, entre eles mulheres e crianças, pulou o muro do museu.

— Os capangas da Funai nos atacaram com bordunas (arma indígena) e pedaços de pau pontudos, que os seguranças também usaram. Tinha um índio com facão. Ele tacou a faca em cima da gente, mas ela caiu no chão — relata Mônica Lima, da etnia manaós, professora da rede estadual e bióloga do Hospital Universitário Pedro Ernesto.

Para Fernando Tupinambá, que ainda ocupa o museu, houve uma agressão à cultura indígena:

— As bordunas eram usadas em rituais de antropofagia, de morte em guerra, em ocasiões específicas, espirituais, jamais desta forma banalizada, vil e cruel. Jamais poderia ter sido usada contra outro parente.

Um vídeo publicado nas redes sociais mostra que o confronto de domingo durou cerca de 20 minutos. De acordo com Mônica Lima, indígenas e manifestantes tiveram braços e dedos quebrados na pancadaria. Ash Ashaninka se feriu na cabeça e precisou levar pontos.

Já Levinho diz que, além de ter um vigilante ferido, a propriedade foi danificada. Os prejuízos chegariam a R$ 160 mil:

— Eles têm o direito de reivindicar, mas estão contra quem? Defendemos as terras indígenas, garantimos os acervos. É uma ação política em um contexto altamente delicado — disse.

José Urutau Guajajara, um dos líderes do movimento, afirma que o grupo vai tentar na Justiça derrubar a decisão sobre a reintegração de posse.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!
Previous post

Apaixonada por livros, menina monta biblioteca comunitária dentro de casa

Next post

Em escola pública de Goiânia, aprendizagem se dá também pelo teatro

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *